Denúncia contra presidente derruba bolsa. Dólar fecha no maior valor em mais de três meses

Em um dia de tensão no mercado financeiro, a Bolsa de Valores de São Paulo caiu, e o dólar norte-americano fechou no maior valor em mais de três meses. O dólar comercial encerrou esta segunda-feira (23) vendido a R$ 3,231, com alta de 1,3% (R$ 0,041). A moeda está na maior cotação desde 11 de julho (R$ 3,253).

O dólar chegou a operar em estabilidade durante a manhã, mas passou a disparar durante a tarde. A divisa acumula alta de 2% em outubro e queda de 0,6% em 2017.

No mercado de ações, o dia foi de perdas. O Ibovespa, índice da Bolsa de Valores de São Paulo, fechou o dia aos 75.413 pontos, com queda de 1,28%. Foi o maior recuo diário desde 20 de junho, quando o indicador tinha caído 2,01%.

O mercado financeiro operou de forma tensa dois dias antes da votação, pela Câmara dos Deputados, da denúncia contra o presidente Michel Temer. No exterior, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, informou hoje que está prestes a anunciar o novo comandante do Federal Reserve (Fed), Banco Central norte-americano. O futuro presidente do Fed substituirá Janet Yellen, cujo mandato termina em fevereiro de 2018.

Oposição quer denúncia fatiada

O vice-líder do PcdoB na Câmara, deputado Rubens Pereira Jr. (MA) protocolou nesta segunda-feira (23) um mandado de segurança no Supremo Tribunal Federal (STF) pedindo que a votação da denúncia apresentada pela Procuradoria-Geral da República contra o presidente Michel Temer e os ministros da Casa Civil, Eliseu Padilha, e da Secretaria Geral da Presidência, Moreira Franco, seja separada para cada acusado.

O plenário da Câmara deve votar o parecer pela inadmissibilidade da acusação perante a Justiça na próxima quarta-feira (25). A denúncia só poderá ser investigada pelo Supremo se pelo menos 342 dos 513 deputados autorizarem o prosseguimento do processo.

Temer e os dois ministros são acusados de participar de uma organização criminosa que atuava para ocupar cargos públicos e arrecadar propina. Contra Temer ainda consta a acusação de obstrução de Justiça no âmbito das investigações da Operação Lava Jato.

Segundo o deputado oposicionista, o objetivo é anular a decisão da Mesa Diretora da Câmara que encaminhou a tramitação da denúncia na casa como um processo único e garantir votação separada para as quatro acusações. “As condutas têm de ser individualizadas, para que cada cidadão possa acompanhar e cobrar o posicionamento de seu parlamentar”, disse Rubens Jr.

O deputado ressalta que não quer o adiamento da votação marcada para quarta-feira (26), apenas a mudança do rito de votação e o fatiamento da análise para cada denunciado e cada crime. Ele argumenta que o plenário não deve votar o parecer pela inadmissibilidade aprovado na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), pois cabe somente ao Supremo a análise do teor da peça jurídica.

A possibilidade de desmembramento do processo já tinha sido solicitada pela oposição desde a chegada da denúncia à Câmara, mas os pedidos foram negados tanto pela Secretaria-Geral da Câmara quanto pela CCJ, que argumentaram que o processo deveria ser analisado da mesma maneira como foi apresentado pela Procuradoria e encaminhado pelo Suprem

Aviação

Em cerimônia comemorativa  ao Dia do Aviador,  realizada na manhã desta segunda-feira(23), na Base Aérea de Brasília, o presidente  Michel Temer  e  autoridades  militares destacaram o papel  da Força Aérea Brasileira (FAB) para o desenvolvimento de tecnologias e para a geração de benefícios sociais.  No evento, autoridades  e  parlamentares  foram  agraciados com a Ordem do Mérito Aeronáutico.

Na mensagem presidencial lida pelo cerimonial durante o evento, Temer citou o lançamento do primeiro Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas. Segundo o presidente, esse satélite além de contribuir para o controle do território brasileiro ajudará a promover a inclusão digital no país por meio da ampliação da cobertura de internet banda larga.

 

Wellton Máximo- Repórter da Agência Brasil*

*Com informações da Agência EFE

 Débora Brito, Pedro Peduzzi e Yara Aquino – Repórteres da Agência Brasil

Foto: José Cruz – Agência Brasil